LEIS MUNICIPAIS

Selecione os filtros abaixo para buscar as leis

Lei Municipal Nº 5838

LEI Nº: 5.838, de 22 de abril de 2003. Altera a Organização Administrativa Básica do Município e reorganiza o Quadro de Cargos em Comissão e Funções Gratificadas. LEI MUNICIPAL Nº 5.838/03 Altera a Organização Administrativa Básica do Município e reorganiza o Quadro de Cargos em Comissão e Funções Gratificadas. ALEXANDRE A. GOELLNER, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço saber que o Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Os artigos 1º,4º, 13 da Lei Municipal nº 5.057/97, alterada pelas Leis Municipais ns 5154/98, 5196/98, 5272/99, 5290/99, passam a ter as seguintes redações: “Art. 1º - ..... I -SECRETARIA MUNICIPAL DO GABINETE DO PREFEITO a) ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO b) CONSELHOS MUNICIPAIS c) JUNTA DE SERVIÇO MILITAR d) DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO e) DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER II -SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS III -SECRETARIA MUNICIPAL DA ADMINISTRAÇÃO IV -SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA V -SECRETARIA MUNICIPAL DO PLANEJAMENTO E URBANISMO VI -SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA, INDÚSTRIA E COMÉRCIO VII -SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA VIII -SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E ASSISTÊNCIA SOCIAL IX -SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE X -SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS, VIAÇÃO E SERVIÇOS URBANOS” “Art. 4º - Fica extinta a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, cujas atribuições e cargos foram remanejados para a Secretaria Municipal de Obras, Viação e Serviços Urbanos.” “Art. 13 – Fica criada a Secretaria Municipal de Obras, Viação e Serviços Urbanos, englobando as atribuições das Secretarias de Obras e Viação e Serviços Urbanos, competindo-lhe a elaboração de estudos e projetos; execução de obras e serviços públicos; trabalhos do topografia; conservação da malha viária municipal, ruas e avenidas; conservação de monumentos públicos, praças, parques e jardins; a limpeza pública; a fiscalização das posturas municipais; o controle e a manutenção do parque de máquinas e da frota de veículos públicos; administração da oficina, do almoxarifado de peças e do posto de combustíveis; coordenar as atividades distritais; coleta e destinação final do lixo; capina e varrição de vias públicas; ajardinamento e arborização de praças, parques e canteiros; recolhimento de entulhos e prestação de pequenos serviços.”(NR) Art. 2º - Fica extinto no Quadro de Cargos em Comissão e Funções Gratificadas, o cargo de “Assessor Direto de Gabinete – CC4, da Secretaria Municipal da Saúde. Art.3º - Ficam criados no Quadro de Cargos em Comissão e de Funções Gratificadas, em desdobramento às extinções propostas nos art. 1º e 2º, respectivamente, Secretário Municipal de Serviços Urbanos e Assessor Direto de Gabinete – CC-4, da Secretaria Municipal da Saúde, os seguintes cargos: SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS, VIAÇÃO E SERVIÇOS URBANOS Denominação Padrão Nº de Cargos Atribuições Assessor de Controle e Orçamento CC-6/FG-6 01 Assessorar na condução dos serviços da orçamento e compras. SECRETARIA MUNICIPAL DO PLANEJAMENTO E URBANISMO

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

22 . 04 . 2003


Lei Municipal Nº 5803

LEI MUNICIPAL Nº 5.803/03 Autoriza o Município a conceder incentivos fiscais por 8 (oito) anos e econômicos à empresa Rotoplastyc Indústria de Rotomoldados Ltda, conforme Lei Municipal nº 5.581/01, e dá outras providências. ALEXANDRE ANDRÉ GOELLNER, VICE-PREFEITO NO EXERCÍCIO DO CARGO DE PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER, que o Legislativo Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Executivo Municipal autorizado a conceder incentivo fiscal na isenção de IPTU, pelo período de 8 (oito) anos e incentivos econômicos de até R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) para aquisição de materiais de construção para reforma de pavilhões e de até R$ 18.752,20 (dezoito mil e setecentos e cinqüenta e dois reais e vinte centavos) para viabilização da rede elétrica e substituição de transformador, para a empresa Rotoplastyc Indústria de Rotomoldados Ltda. Parágrafo Único - Os incentivos autorizados neste artigo baseiam-se no projeto apresentado pela empresa e aprovado pelo Conselho do Plano Diretor do Município e nos demais documentos apresentados e exigências cumpridas segundo determina a Lei Municipal nº 5.581/01. Art. 2º - As despesas decorrentes desta Lei serão contabilizadas nas seguintes dotações do Orçamento de 2003: 11 - SECR. MUN. DESENV. AGRIC. IND. E COM. 1103 - Depto. de Indústria, Comércio e Serviços 1103.2266104531.080 - Incentivos a Empresas Novos Projetos 3360410000 - Contribuições 11 - SECR. MUN. DESENV. AGRIC. IND. E COM. 1103 - Depto. de Indústria, Comércio e Serviços 1103.2266104531.081 - Incentivos Financeiros e Empréstimos 3360410000 - Contribuições Parágrafo Único – Para concretizar a concessão dos incentivos econômicos previstos nesta Lei, o Executivo Municipal deverá prover os recursos orçamentários suficientes nas dotações constantes neste artigo, na forma legal estabelecida, enviando cópia ao Legislativo, bem como cumprir os demais requisitos exigidos na Lei Municipal nº 5.581/01. LEI MUNICIPAL Nº 5.803/03 Art. 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 09 DE JANEIRO DE 2003. ALEXANDRE ANDRÉ GOELLNER Prefeito Municipal em exercício Registre-se e publique-se no Painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração SMF/imd 2

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

09 . 01 . 2003


Lei Municipal Nº 5802

LEI MUNICIPAL Nº 5.802/03 Autoriza o Município a subvencionar a assistência hospitalar e ambulatorial de urgência e emergência aos usuários do SUS, mediante termo de convênio com o Hospital de Caridade de Carazinho. ALEXANDRE ANDRÉ GOELLNER, VICE-PREFEITO NO EXERCÍCIO DO CARGO DE PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER, que o Legislativo Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Executivo Municipal autorizado a conceder subvenção social ao Hospital de Caridade de Carazinho – HCC até o valor máximo de R$ 99.000,00 (noventa e nove mil reais), para complementação da assistência hospitalar e ambulatorial de urgência e emergência aos usuários do SUS, pelo prazo de três meses, conforme termo de convênio, cuja minuta é parte integrante desta Lei. Art. 2º - As despesas decorrentes desta Lei serão contabilizadas na seguinte dotação do Orçamento de 2003: 09 - SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE 0902 - Fundo Municipal da Saúde 0902.1030201732.136 - Subvenções ao HCC-AIHs e Suplementação SAI/SUS 3350430000 - Subvenções Sociais Art. 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 09 DE JANEIRO DE 2003. ALEXANDRE ANDRÉ GOELLNER Prefeito Municipal em exercício Registre-se e publique-se no Painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração SMF/imd

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

09 . 01 . 2003


Lei Municipal Nº 5800

LEI MUNICIPAL Nº 5.800/03 Autoriza o Município a firmar Convênio com entidades especializadas em atendimento à pessoas portadoras de toxicomania e dá outras providências. ALEXANDRE ANDRÉ GOELLNER, VICE-PREFEITO NO EXERCÍCIO DO CARGO DE PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER que o Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a firmar Convênio com entidades especializadas em atendimento à pessoas portadoras de toxicomania, de conformidade com a minuta, que integra a presente Lei. Art. 2º - O Convênio terá validade pelo período de 01 (um) ano, podendo ser prorrogado, mediante Termo Aditivo, nos termos do art. 57, II, da Lei Federal nº 8.666/93 e suas alterações e sujeita à extinção, independente de pré-aviso ou notificação, caso o interesse público assim o exigir. Art. 3º - As despesas decorrentes da presente Lei correrão à conta da seguinte dotação orçamentária: 09 - SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE 0902 - Fundo Municipal da Saúde 1012201742072 - Celebração de Convênio com ONGs 623-8/335043000000 - Subvenções Sociais Art. 4º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 09 DE JANEIRO DE 2003. ALEXANDRE ANDRÉ GOELLNER Prefeito Municipal em exercício Registre-se e publique-se no Painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração imd Minuta TERMO DE CONVÊNIO O MUNICÍPIO DE CARAZINHO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CGC/MF sob o nº 87.613.535/0001-16, com sede na Av. Flores da Cunha, 1264, neste ato representado pelo Prefeito Municipal, ____________________, com a anuência do Secretário Municipal de Saúde, representada pelo Secretário, RENATO DELAZANA CAVEDON, autorizados pela Lei Municipal nº ......, doravante denominado CONVENENTE e ................................................................., entidade sem fins lucrativos / filantrópica, inscrita no CGC/MF sob o nº ...................., com sede no município de ........................., ........, na Rua ................., representada pelo seu Presidente, ......................................., brasileiro, estado civil, profissão, residente na cidade de ................., na Rua ....................., inscrito no CPF/MF sob nº ........................., doravante denominado simplesmente CONVENIADO, celebram o presente CONVÊNIO, mediante as cláusulas e condições seguintes: CLÁUSULA PRIMEIRA – Constitui objeto do presente Convênio, o atendimento especializado a pessoas portadoras de toxicomania, residentes no Município de Carazinho e encaminhados pela Secretaria Municipal de Saúde. PARÁGRAFO ÚNICO: Pelo presente Convênio o Convenente utilizará até 05 vagas por mês junto ao Conveniado. CLÁUSULA SEGUNDA – O Conveniado prestará atendimento especializado a pessoas toxicomanias, dentro das condições oferecidas por sua sede e por profissionais do seu quadro de pessoal. CLÁUSULA TERCEIRA – O Conveniado apresentará ao Convenente até o 5º dia útil do mês subseqüente a prestação de serviços a fatura, bem como uma avaliação terapêutica das pessoas atendidas CLÁUSULA TERCEIRA – O Convenente pagará mensalmente ao Conveniado, a importância de R$ .............................., por pessoa internada para tratamento, corrigidos anualmente pelos índices do IGPM, sendo o pagamento feito mediante depósito bancário na conta ..................., agência ..............., Banco ......................, até o 10º dia útil do mês subseqüente a prestação dos serviços. PARÁGRAFO PRIMEIRO: O atraso no pagamento por 01 (um) mês, acarretará a suspensão do atendimento, independentemente de aviso, notificação ou outro. PARÁGRAFO SEGUNDO: A responsabilidade financeira do Convenente limita-se aos valores fixados nesta cláusula, não respondendo por encargos financeiros e outras obrigações assumidas pelo Conveniado. 2 CLÁUSULA QUARTA – O Conveniado se responsabiliza pelo pagamento dos salários, bem como dos encargos sociais dos profissionais encarregados pelo tratamento dos toxicômanos. CLÁUSULA QUINTA – O presente Convênio terá validade pelo período de 01 (um) ano, a contar da data de sua assinatura, podendo ser prorrogado mediante Termo Aditivo, nos termos do art. 57, II, da Lei 8.666/93 e suas alterações posteriores. PARÁGRAFO PRIMEIRO: A parte que não se interessar pela prorrogação contratual deverá comunicar a sua intenção, por escrito, à outra parte, com antecedência mínima de 90 (noventa) dias. PARÁGRAGO SEGUNDO: O termo de prorrogação do convênio, será de celebração obrigatória, e será fará acompanhado de Termo de Vistoria, que passará a fazer parte do presente instrumento. PARÁGRAFO TERCEIRO: O presente convênio poderá ser rescindido a qualquer tempo, presentes os motivos elencados no art. 78, da Lei 8.666/93 e/ou a qualquer tempo, obedecendo o prazo previsto no parágrafo primeiro, desta cláusula. CLÁUSULA SEXTA – As despesas do presente Convênio correrão à conta da seguinte dotação orçamentária: Órgão – 09 – Secretaria Municipal de Saúde Unidade – 0902 – Fundo Municipal de Saúde Atividade – 2.072 - Celebração de Convênio com ONGs Cód./Dotação – 623-8/3350.43.000000 CLÁUSULA SÉTIMA – Fica eleito o Foro da Comarca de Carazinho, RS, para dirimir as dúvidas decorrentes do presente Convênio. Por estarem de acordo, firmam o presente instrumento em três vias de igual teor e forma. Carazinho, ...... de ........................... de 2003. CONVENENTE CONVENIADO MUNICÍPIO DE CARAZINHO 3

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

09 . 01 . 2003


Lei Municipal Nº 5709

LEI MUNICIPAL Nº 5.709/02 EMENTA: Dispõe sobre a entrada franca de pessoas idosas e deficientes físicos, nos eventos e em todos e quaisquer espetáculos públicos, realizados na área de circunscrição do Município de Carazinho, e dá ou – trás providências. Autoria: Vereadores Ronaldo de Oliveira e Paulo Silva. VEREADOR JOÃO MAFALDA, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER que o Poder Legislativo aprovou e eu, de acordo com o § 5º, do art. 35, da Lei Orgânica Municipal, promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - As pessoas idosas, com mais de 65 (sessenta e cinco) anos de idade, e deficientes físicos terão entrada franca em todo e qualquer recinto em que se realize eventos/espetáculos públicos. Art. 2º - É facultado às entidades que promovem eventos/espetáculos públicos, reduzir ou ampliar esta faixa etária, concedendo entrada franca, como forma de incentivar a participação de idosos e deficientes físicos. Art. 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Sala das Reuniões, em 25 de julho de 2002. Registre-se e Publique-se: Vereador João Mafalda Presidente Vereador Cláudio Santos 1º Secretário

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

25 . 07 . 2002


Lei Municipal Nº 5708

LEI MUNICIPAL Nº 5.708/02 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER, que o Legislativo Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a qualificar como organizações sociais pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, cujas atividades sejam dirigidas ao ensino, à pesquisa científica, ao desenvolvimento tecnológico, à proteção e preservação do meio ambiente, à cultura e à saúde, atendidos aos requisitos previstos nesta Lei. Art. 2º - São requisitos específicos para que as entidades privadas referidas no artigo anterior habilitem-se à qualificação como organização social: I - comprovar o registro de seu ato constitutivo, dispondo sobre: a) natureza social de seus objetivos relativos à respectiva área de atuação; b) finalidade não-lucrativa, com a obrigatoriedade de investimento de seus excedentes financeiros no desenvolvimento das próprias atividades; c) previsão expressa de a entidade ter, como órgãos de deliberação superior e de direção, um Conselho de Administração e uma diretoria, definidos nos termos do estatuto, asseguradas àquela composição e atribuições normativas e de controle básicas previstas nesta Lei; d) a participação, no órgão colegiado de deliberação superior, de representantes do Poder Público e de membros da comunidade, de notória capacidade profissional e idoneidade moral; e) composição e atribuições da diretoria; f) obrigatoriedade de publicação anual, no Diário Oficial do Estado, dos relatórios financeiros e do relatório de execução do contrato de gestão; g) no caso de associação civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto; h) proibição de distribuição de bens ou de parcela do patrimônio líquido em qualquer hipótese, inclusive em razão de desligamento, retirada ou falecimento de associado ou membro da entidade; i) previsão de incorporação integral do patrimônio, dos legados ou das doações que lhe foram destinados, bem como dos excedentes financeiros decorrentes de suas atividades, em caso de extinção ou desqualificação, ao patrimônio de outra organização social qualificada no âmbito do Município, da mesma área de atuação, ou ao patrimônio do Município de Carazinho, na proporção dos recursos e bens por estes alocados; LEI MUNICIPAL Nº 5.708/02 II - haver aprovação, quanto à conveniência e oportunidade de sua qualificação como organização social, do Secretário Municipal e do Conselho Municipal inerente à área de atividade correspondente ao seu objeto social. Do Conselho de Administração Art. 3º - O Conselho de Administração deve ser estruturado nos termos que dispuser o respectivo estatuto, observados, para fins de atendimento dos requisitos de qualificação, os seguintes critérios básicos: I - ser composto por: a) 20 a 40% (vinte a quarenta por cento) de membros natos representantes do Poder Público, definidos pelo estatuto; b) 20 a 30% (vinte a trinta por cento) de membros natos representantes de entidades assistenciais da sociedade civil, definidos pelo estatuto; c) 10 a 20% (dez a vinte por cento), de representantes de entidades de classe, da Sociedade Civil, definidos pelo estatuto; d) 10 a 20% (dez a vinte por cento) no caso de associação civil, de membros eleitos dentre os membros ou os associados; e) até 10% (dez por cento) de membros eleitos pelos demais integrantes do conselho, dentre pessoas de notória capacidade profissional e reconhecida idoneidade moral; II - os membros eleitos ou indicados para compor Conselho devem ter mandato de quatro anos, admitida uma recondução; III - os representantes de entidades previstos nas alíneas "a" e "b" do inciso I devem corresponder a mais de 50% (cinqüenta por cento) do Conselho; IV - o primeiro mandato de metade dos membros eleitos ou indicados deve ser de dois anos, segundo critérios estabelecidos no estatuto; V - o dirigente máximo da entidade deve participar das reuniões do conselho, sem direito a voto; VI - o Conselho deve reunir-se ordinariamente, no mínimo, três vezes a cada ano e, extraordinariamente, a qualquer tempo; VII - os conselheiros não devem receber remuneração pelos serviços que, nesta condição, prestarem à organização social, ressalvada a ajuda de custo por reunião da qual participem, quando estipulado no contrato de gestão; Art. 4º - Para os fins de atendimento dos requisitos de qualificação, devem ser atribuições privativas do Conselho de Administração, dentre outras: I - fixar o âmbito de atuação da entidade, para consecução do seu objeto; II - aprovar a proposta de contrato de gestão da entidade; III - aprovar a proposta de orçamento da entidade e o programa de investimentos; IV - designar e dispensar os membros da diretoria; 2 LEI MUNICIPAL Nº 5.708/02 V - fixar a remuneração dos membros da diretoria, quando houver; VI - aprovar e dispor sobre a alteração dos estatutos e a extinção da entidade por maioria, no mínimo, de dois terços de seus membros; VII - aprovar o regimento interno da entidade, que deve dispor, no mínimo, sobre a estrutura, forma de gerenciamento, os cargos e respectivas competências; VIII - aprovar por maioria, no mínimo, de dois terços de seus membros, o regulamento próprio contendo os procedimentos que deve adotar para a contratação de obras, serviços, compras e alienações e o plano de cargos, salários e benefícios dos empregados da entidade; IX - aprovar e encaminhar, ao órgão supervisor da execução do contrato de gestão, os relatórios gerenciais e de atividades da entidade, elaborados pela diretoria; X - fiscalizar o cumprimento das diretrizes e metas definidas e aprovar os demonstrativos financeiros e contábeis e as contas anuais da entidade, com o auxílio de auditoria externa. Do Contrato de Gestão Art. 5º - Para os efeitos desta Lei, entende-se por contrato de gestão o instrumento firmado entre o Poder Público e a entidade qualificada como organização social, com vistas à formação de parceria entre as partes para fomento e execução de atividades relativas às áreas relacionadas no art. 1º. Art. 6º - O contrato de gestão, elaborado de comum acordo entre o Poder Executivo e a organização social, discriminará as atribuições, responsabilidades e obrigações do Poder Público e da organização social. Art. 7º - Na elaboração do contrato de gestão, devem ser observados os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e, também, os seguintes preceitos: I - especificação do programa de trabalho proposto pela organização social, a estipulação das metas a serem atingidas e os respectivos prazos de execução, bem como previsão expressa dos critérios objetivos de avaliação de desempenho a serem utilizados, mediante indicadores de qualidade e produtividade; II - a estipulação dos limites e critérios para despesa com remuneração e vantagens de qualquer natureza a serem percebidas pelos dirigentes e empregados das organizações sociais, no exercício de suas funções. Parágrafo Único - O Executivo Municipal, através das Secretarias de atuação da entidade, deve definir as demais cláusulas dos contratos de gestão de que sejam signatários. 3 LEI MUNICIPAL Nº 5.708/02 Da Execução e Fiscalização do Contrato de Gestão Art. 8º - A execução do contrato de gestão celebrado por organização social será fiscalizada pelo órgão ou entidade supervisora da área de atuação correspondente à atividade fomentada. § 1º - A entidade qualificada apresentará ao Poder Executivo Municipal, ao término de cada exercício ou a qualquer momento, conforme recomende o interesse público, relatório pertinente à execução do contrato de gestão, contendo comparativo específico das metas propostas com os resultados alcançados, acompanhados da prestação de contas correspondente ao exercício financeiro. § 2º - Os resultados atingidos com a execução do contrato de gestão devem ser analisados, periodicamente, por comissão de avaliação, indicada pela Secretaria supervisora da área correspondente, composta por especialistas de notória capacidade e adequada qualificação. § 3º - A comissão deve encaminhar à autoridade supervisora relatório conclusivo sobre a avaliação procedida. Art. 9º - Os responsáveis pela fiscalização da execução do contrato de gestão, ao tomarem conhecimento de qualquer irregularidade ou ilegalidade na utilização de recursos ou bens de origem pública por organização social, dela darão ciência ao Chefe do Executivo Municipal e este ao Tribunal de Contas do Estado, sob pena de responsabilidade solidária. Art. 10 - Sem prejuízo da medida a que se refere o artigo anterior, quando assim exigir a gravidade dos fatos ou o interesse público, havendo indícios fundados de malversação de bens ou recursos de origem pública, os responsáveis pela fiscalização representarão ao Ministério Público ou à Procuradoria Geral do Município para que requeira ao juízo competente a decretação da indisponibilidade dos bens da entidade e o seqüestro dos bens dos seus dirigentes, bem como de agente público ou terceiro, que possam ter enriquecido ilicitamente ou causado dano ao patrimônio público. § 1º - O pedido de seqüestro será processado de acordo com o disposto nos arts. 822 e 825 do Código de Processo Civil. § 2º - Quando for o caso, o pedido incluirá a investigação, o exame e o bloqueio de bens, contas bancárias e aplicações mantidas pelo demandado no País e no exterior, nos termos da lei e dos tratados internacionais. § 3º - Até o término da ação, o Poder Público permanecerá como depositário e gestor dos bens e valores seqüestrados ou indisponíveis e velará pela continuidade das atividades sociais da entidade. 4 LEI MUNICIPAL Nº 5.708/02 Do Fomento às Atividades Sociais Art. 11 - As entidades qualificadas como organizações sociais são declaradas como entidades de interesse social e utilidade pública, para todos os efeitos legais. Art. 12 - Às organizações sociais poderão ser destinados recursos orçamentários e bens públicos necessários ao cumprimento do contrato de gestão. § 1° - São assegurados às organizações sociais os créditos previstos no orçamento municipal e as respectivas liberações financeiras, de acordo com o cronograma de desembolso previsto no contrato de gestão. § 2º - Poderá ser adicionada aos créditos orçamentários destinados ao custeio do contrato de gestão parcela de recursos para compensar desligamento de servidor cedido, desde que haja justificativa expressa da necessidade pela organização social. § 3º - Os bens de que trata este artigo serão destinados às organizações sociais, dispensada licitação, mediante autorização de uso, consoante cláusula expressa do contrato de gestão. Art. 13 - Os bens móveis públicos autorizados para uso poderão ser permutados por outros de igual ou maior valor, condicionado a que os novos bens integrem o patrimônio do Município. Parágrafo Único - A permuta de que trata este artigo dependerá de prévia avaliação do bem e expressa autorização do Poder Executivo Municipal. Art. 14 - É facultada ao Poder Executivo a cessão especial de servidor para as organizações sociais, com ônus para a origem, bem como sua avaliação funcional, conquanto haja autorização Legislativa. § 1º - Não será incorporada aos vencimentos ou à remuneração de origem do servidor cedido qualquer vantagem pecuniária que vier a ser paga pela organização social. § 2º - Não será permitido o pagamento de vantagem pecuniária permanente por organização social a servidor cedido com recursos provenientes do contrato de gestão, ressalvada a hipótese de adicional relativo ao exercício de função temporária de direção, chefia e assessoramento. § 3º - O servidor cedido perceberá as vantagens do cargo a que fizer jus no órgão de origem, quando ocupante de cargo de primeiro ou de segundo escalão na organização social. 5 LEI MUNICIPAL Nº 5.708/02 Da Desqualificação Art. 15 - O Poder Executivo poderá proceder à desqualificação da entidade como organização social, quando constatado o descumprimento das disposições contidas no contrato de gestão. § 1º - A desqualificação será precedida de processo administrativo, assegurado o direito de ampla defesa, respondendo os dirigentes da organização social, individual e solidariamente, pelos danos ou prejuízos decorrentes de sua ação ou omissão. § 2º - A desqualificação importará reversão dos bens permitidos e dos valores entregues à utilização da organização social, sem prejuízo de outras sanções cabíveis. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art. 16 - A organização social fará publicar, no prazo máximo de trinta dias contados da assinatura do contrato de gestão, regulamento próprio contendo os procedimentos que adotará para a contratação de obras e serviços, bem como para compras com emprego de recursos provenientes do Poder Público. Art. 17 - Fica o Poder Executivo autorizado a qualificar como organizações sociais, nos termos desta Lei, as pessoas jurídicas de direito privado mediante decreto municipal, atendidas as exigências da presente lei. Art. 18 - O primeiro mandato dos membros do Conselho de Administração deverá coincidir com o término do mandato do Prefeito Municipal. Art. 19 - A extinção da organização social de que trata esta Lei observará os seguintes preceitos: I - os servidores efetivos do Município, regularmente cedidos à Organização Social extinta, retornarão ao órgão municipal ou a critério do Poder Executivo, poderão vir a serem cedidos a outra organização social que vier a absorver as correspondentes atividades, observados os § 1º e 2º, do art. 14, e terão garantido todos os direitos e vantagens decorrentes do respectivo cargo que ocupavam na Administração Direta; II - a desativação da OS será realizada mediante inventário de seus bens imóveis e de seu acervo físico, documental e material, bem como dos contratos e convênios, com a adoção de providências dirigidas à manutenção e ao prosseguimento das atividades sociais, nos termos da legislação aplicável em cada caso; III - os recursos e as receitas orçamentárias de qualquer natureza, destinados à OS extinta, serão utilizados no processo de inventário e para a manutenção e o financiamento das atividades sociais até a assinatura do contrato de gestão; 6 LEI MUNICIPAL Nº 5.708/02 IV - quando necessário, parcela dos recursos orçamentários poderá ser reprogramada, mediante crédito especial a ser enviado à Câmara Municipal, à Secretaria supervisora dos contratos de gestão, para o fomento das atividades sociais, assegurada a liberação periódica do respectivo desembolso financeiro para a organização social; V - os processos judiciais em que a Organização Social seja parte, ativa ou passivamente, em função da execução do contrato de gestão serão transferidos par o Município, na qualidade de sucessor. Art. 20 - Fica o Poder Executivo autorizado a abrir crédito especial até o limite de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) ao presente orçamento, conforme a distribuição a seguir: 09 – Secretaria Municipal da Saúde 0902 – Fundo Municipal da Saúde 090210 – Saúde 090210301 – Atenção Básica 0902103010161 – Saúde da Família 09021030101612 – Manutenção do Contrato de Gestão Atenção Básica 30000000 – Despesas Correntes 33000000 – Outras Despesas Correntes 33500000 – Transferências a Instituições Privadas sem fins lucrativos 33504300 – Subvenções Sociais ........................................... R$ 10.000,00 090210302 – Assist.Hospitalar e Ambulatorial 0902103010169 – Assistência Médica Especializada 09021030101692 - Man. Contrato de Gestão Assist. Médica Especializada 30000000 – Despesas Correntes 33000000 – Outras Despesas Correntes 33500000 – Transferências a Instituições Privadas sem fins lucrativos 33504300 – Subvenções Sociais ........................................... R$ 10.000,00 TOTAL ...................... ............................................................. R$ 20.000,00 Art. 21 - Servirá de cobertura para o crédito autorizado pelo artigo anterior a redução de saldo da seguinte rubrica: 09 - Secretaria Municipal de Saúde 0902 - Fundo Municipal de Saúde 1012201742072 - Celebração de Convênio com ONG´s Cód./Rubrica: 623-8/3350430000 - Subvenções Sociais .......R$ 20.000,00 7 LEI MUNICIPAL Nº 5.708/02 Art. 22 - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 25 DE JULHO DE 2002. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE Prefeito Municipal Registre-se e publique-se no Painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração SAÚDE/IMD 8

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

25 . 07 . 2002


Lei Municipal Nº 5707

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº 5.7075.585 /02 /01 Autoriza a abertura de Crédito Suplementar no Orçamento da Câmara Municipalo Município, no valor de R$ 6.000,00. . IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER, que o Legislativo Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a abrir um Crédito Suplementar no Orçamento da Câmara Municipal, do corrente exercício, no valor de R$ 6.000,00 (seisde il reais ), para suplementação das seguintes dotaçãoões: 0108 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORESSECR. MUN. DE OBRAS E VIAÇÃO 01010805 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Câmara MunicipalDepto. Municipal de Obras e Serviços 0805339039130100/11-6010012.12.134 - . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Publicidade, Propag. e Prom. InstitucionalManutendo Depto. de Obras e Serviços..............R$ 6.000,00 382-4/31320000 - Material de Consumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .R$ 10.000,0055.000,00 383-2/31320200- Outros Serviços e Encargos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . R$ 30.000,00 0806 - Vias Públicas Urbanas e do Interior 0806.16915751.081 - Manut. da Malha Viária Urbana e Interior 387-5/41100000- Obras e Instalações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . R$ 40.267,00 Art. 2º - Servirá de recurso para ão de cobertura do Crédito Suplementar, autorizado pelo artigo anterior, a redução da seguinte rubrica:os recursos da redução de saldos das seguintes dotações: 01 - CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES 0101 - Câmara Municipal 9999. 17-5/9999.000000/31-0 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .- Reserva de Contingência R$ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 610.000,00 - CR. MUN. DE DESENV., AGRIC., IND. E COMÉRCIO 1102 - Depto. de Agropecuária 1102.04150881.066 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Equipamentos e Mat. Permanente p/ o SIM 563-0/41200000 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Equipamentos e Mat. Permamente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . R$ 2.000,00 1102.04150881.067 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Conv. Financ. Vacas, Cond. Suinocult./Avicult.-FUNDEA 564-9/42700100 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Concess. Emprést. a Contrib. (Art. 32, 3º LRF) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .R$ 40.000,00 1102.04150891.088 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Construção de 15 Tanques de 3.000m2 567-3/41300000 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Invst.em Regime Execução Especial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . R$ 2.000,00 1102.04150892.046 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Treinamento a Produtores em Piscicultura 568-1/31320200 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Outros Serviços e Encargos R$ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3.000,00 1102.04160961.076 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Obras de Implantação Feiras Livres nos Bairros 569-0/41100000 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Obras e Instalações R$ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2.550,00 1102.04171052.073 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Manut. e Conservação de Solos e Águas 572-0/31200000 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Material de Consumo R$ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7.000,00 573-8/31320200 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Outros Serviços e Encargos R$ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1103 - SECR. MUN. DA HABITAÇÃO E ASSIST. SOCIAL 1203 - Fundo Municipal da Habitação 2 1203.10573161.100 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Construção de Redes de Água, Luz, Pavimentação 633-5/41100000 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . - Obras e Instalações R$ 10.000,00 1104 - ENCARGOS GERAIS DO MUNICÍPIO 1301 - Encargos Comuns a Órgãos Diversos 1301.08442052.175 - Programa Crédito Educativo p/ 3º Grau 687-4/32540300- Crédito Educativo p/ Ensino Superior . . . . . . . . . . . . . .R$ 25.000,00 Art. 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 252 DE JULHONOOSTO DE 20012. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUEIRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE Prefeito Municipal 3 Registre-se e publique-se no Painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração PROJETO DE LEI Nº IMDCBS JUSTIFICATIVA Trata-se de um projeto de Lei que propõe a no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reicipalinclusão de um Crédito Especial no Orçamento de 2001ssibilitar a realização de despesas de Convênio com a União, através da Caixa Econômica Federal, contratos de repasse nºs 011505699/2000 e 011543245/2000, para a execução de ações de melhoria das condições de habitabilidade no Município, com a construção de 155 unidades sanitárias (banheiros). Em cumprimento à legislação vigente, observadas as normas estabelecidas na Lei Municipal nº 5.439 - LDO 2001, e suas alterações, visa-se o aprimoramento daaprimorar a execução orçamentária dio e atender. os anseios e necessidades públicas, especialmente das famílias carentes beneficiadas. Carazinho, 2 de ogosto de 2001. Iron Louro Baldo Albuquerque Prefeito Municipal WORD\PROJ LEI ESP18 2001 4

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

25 . 07 . 2002


Lei Municipal Nº 5706

LEI MUNICIPAL Nº 5.706/02 Autoriza a concessão de auxílio financeiro e abertura de Crédito Suplementar no valor de R$ 5.000,00. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER, que o Legislativo Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a conceder auxílio financeiro à Banda Musical Ex Alunos La Salle de Carazinho, no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), para manutenção de maestro, aquisição de instrumento, cursos para músicos e viagens. Art. 2º - Para contabilização do auxílio autorizado pelo artigo anterior, fica autorizada a abertura de Crédito Suplementar na seguinte dotação: 13 - ENCARGOS GERAIS DO MUNICÍPIO 1301 - Encargos Comuns a Órgãos Diversos 1301.2884500003.006 - Auxílios Financeiros a Entidades 1168-1//335043000 - Subvenções Sociais..............................................R$ 5.000,00 Art. 3º - Servirá de cobertura do Crédito Suplementar, autorizado pelo artigo anterior, a redução de saldo da seguinte dotação: 02 - GABINETE DO PREFEITO 0201 - Gabinete do Prefeito 0201.0412200301.007 - Reequipamento do Gabinete do Prefeito 40-0/4490520100 - Equipamentos e Mat. Permanente........................ R$ 5.000,00 Art. 4º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 25 DE JULHO DE 2002. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE Prefeito Municipal Registre-se e publique-se no Painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração SMF/IMD 2

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

25 . 07 . 2002


Lei Municipal Nº 5705

LEI MUNICIPAL Nº 5.705/02 Autoriza o Município a firmar Termo Aditivo de Convênio com o Hospital de Caridade de Carazinho, para complementar a remuneração dos serviços de análises clínicas pela tabela SIA/SUS. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER, que o Legislativo Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Poder Executivo Municipal autorizado a celebrar Termo Aditivo de Convênio com o Hospital de Caridade de Carazinho – HCC, para complementar a remuneração dos serviços de análises clínicas, realizados durante as internações do SUS junto ao HCC, com base na tabela SIA/SUS, até o limite financeiro mensal de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), conforme minuta do aditivo que faz parte integrante desta Lei. Art. 2º - As despesas do termo aditivo de convênio, autorizado pelo artigo anterior, serão suportadas com recursos ASPS, pela seguinte dotação: 09 - SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE 0902 - Fundo Municipal da Saúde 0902.1030201732.071 - Manut. Setor de Assist. Emergencial e Hospitalar 883-4/3390391200 - Serviços de Saúde PJ Art. 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 25 DE JULHO DE 2002. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE Prefeito Municipal Registre-se e publique-se no Painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração SMF/IMD MINUTA TERCEIRO TERMO ADITIVO AO CONVÊNIO CELEBRADO EM 16 DE OUTUBRO DE 2001, ENTRE O MUNICÍPIO DE CARAZINHO E O HOSPITAL DE CARIDADE DE CARAZINHO. CONVENENTE: MUNICÍPIO DE CARAZINHO, pessoa jurídica de direito público, inscrito no CGC/MF sob o nº 87.613.535/0001-16, com sede na Av. Flores da Cunha, 1264, Carazinho, RS, neste ato representado pelo Prefeito Municipal de Carazinho, em exercício, Sr. ALEXANDRE ANDRÉ GOELLNER, brasileiro, casado, inscrito no CPF sob o nº 480.066.020-34, residente e domiciliado nesta cidade, em pleno e regular exercício de suas funções. CONVENIADO: HOSPITAL DE CARIDADE DE CARAZINHO, pessoa jurídica de direito privado, inscrito no CGC sob o número 88.450.234/0001-81, com sede na Rua General Câmara, 70, nesta cidade, neste ato representado pelo seu Presidente, Sr. DIRCEU WEBER, brasileiro, casado, inscrito no CPF sob o nº 006.554.060-34, residente e domiciliado nesta cidade, em pleno e regular exercício de suas funções. Têm entre si ajustado e conveniado, de acordo com a Constituição Federal, em especial os seus artigos 196 e seguintes; as Leis nº 8.080/90 e 8.142/90; a Lei nº 8.666/93 e suas alterações posteriores; a Portaria do Ministério da Saúde nº 1.286/93; e em conformidade com a Lei Municipal nº 5.579/01, de 16/10/2001, do Município de Carazinho, aditiva o presente Convênio que tem por objeto a execução pelo Conveniado da Prestação de Serviços Hospitalares e Técnicos Profissionais de Assistência à Saúde, de acordo com as normas do SUS, mediante as seguintes cláusulas e condições: CLÁUSULA PRIMEIRA O presente Termo Aditivo tem por objetivo a inclusão do Parágrafo Único, na Cláusula Oitava – Do Preço; e a alteração da Cláusula Nona – Dos Recursos Orçamentários, com acréscimo de rubrica orçamentária. CLÁUSULA SEGUNDA Cláusula Oitava - ......... 2 Parágrafo Primeiro - À exceção dos procedimentos de análises clínicas, no transcorrer das internações, que serão calculados com base nos valores remuneratórios da Tabela do SIA/SUS. Parágrafo segundo - O diferencial calculado ficará vinculado a um teto financeiro mensal de R$ 5.000,00 (cinco mil reais). CLÁUSULA TERCEIRA As despesas dos serviços realizados por força deste Convênio correrão à conta das rubricas: - 0902.103020173.2.071 – SMS/FMS/Manutenção da Assistência Emergencial e Hospitalar – 883-4/3390.39.120000 – Serviços de Saúde Pessoa Jurídica – ASPS e 884-2/3390.39.120000 – Serviços de Saúde Pessoa Jurídica – RTFNS CLÁUSULA QUARTA As demais cláusulas do Convênio celebrado entre as partes, em 16 de outubro de 2001, permanecem inalteradas. E, por estarem as partes justas e acertadas, firmam o presente Termo Aditivo, em 03 (três) vias de igual teor e forma, na presença de duas testemunhas, abaixo assinadas. Carazinho, ..... de abril de 2002. CONVENENTE CONVENIADO Testemunhas: 3

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

25 . 07 . 2002


Lei Municipal Nº 5704

LEI MUNICIPAL Nº 5.704/02 Autoriza o cancelamento da dívida ativa. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço saber que o Poder Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - É o Executivo autorizado a cancelar , por prescrição, os débitos tributários com mais de 5 (cinco) anos, contados da data de sua constituição, na forma do artigo 174 e seu parágrafo único, do Código Tributário Nacional, Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966. Art. 2º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º - Revogam-se as disposições em contrário, em especial a Lei Municipal nº 3.637, de 06 de julho de 1987. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 17 DE JULHO DE 2002. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE Prefeito Municipal Registre-se e Publique-se no painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração LRB/IMD

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

17 . 07 . 2002


Lei Municipal Nº 5703

LEI MUNICIPAL Nº 5.703/02 Concede reajuste de 33%, no Vale Alimentação dos servidores públicos municipais, ativos, inativos e do CAPSEM, a partir de 1º/08/02. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço saber que o Poder Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - É concedido reajuste de 33% (trinta e três por cento) no Vale Alimentação dos servidores públicos municipais, ativos, inativos e do CAPSEM, a partir de 1º de agosto de 2002, passando o valor unitário para R$ 4,06 (quatro reais e seis centavos) por dia útil. Art. 2º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 17 DE JULHO DE 2002. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE Prefeito Municipal Registre-se e Publique-se no painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração SMF/IMD

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

17 . 07 . 2002


Lei Municipal Nº 5702

LEI MUNICIPAL Nº 5.702/02 Altera a redação do Art. 2º, da Lei Municipal nº 4.741/94, a qual Institui o Vale Alimentação. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço saber que o Poder Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - O Art. 2º, da Lei Municipal nº 4.741/94, de 30/12/94, passa a viger com a seguinte redação: “Art. 2º - O VALE ALIMENTAÇÃO no valor unitário de R$ 3,05 (três reais e cinco centavos) poderá ser reajustado, por lei específica, independentemente dos reajustes ou reposições salariais dos servidores.” (NR) Art. 2º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 17 DE JULHO DE 2002. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE Prefeito Municipal Registre-se e Publique-se no painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração IMD

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

17 . 07 . 2002


Lei Municipal Nº 5701

LEI MUNICIPAL Nº 5.701/02 Autoriza o Município a abrir Crédito Especial no Orçamento de 2002, no valor de R$ 274.776,56. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER, que o Legislativo Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a abrir um Crédito Especial no valor total de R$ 274.776,56 (duzentos e setenta e quatro mil, setecentos e setenta e seis reais e cinqüenta e seis centavos), com a seguinte classificação: 07 - SECR. MUN. DA EDUCAÇÃO E CULTURA 0705 - Despesas com Recursos de Convênios e Auxílios 0705.1212802372 - Execução Ações Melhoria Qualidade Educ. de Jovens e Adultos 3390399900 - Demais Serviços Terceiros PJ...........................R$ 22.178,00 0705.1236602372 - Execução Ações Melhoria Qualidade Educ. de Jovens e Adultos 3390320100 - Material Distribuição Gratuita em Geral.............R$ 130.207,65 0705.1212802352 - Execução Ações Melhoria Qualidade Educ. Pré-escolar 3390399900 - Demais Serviços Terceiros PJ...........................R$ 122.390,91 Art. 2º - Servirão de cobertura do Crédito Especial, autorizado pelo artigo anterior, os seguintes recursos: a) Superávit Financeiro do exercício 2001, de recursos específicos do Convênio MEC/FNDE nº 93745/2001, no valor de R$ 151.113,60 (cento e cinqüenta e um mil, cento e treze reais e sessenta centavos); b) Superávit Financeiro do exercício 2001, de recursos específicos do Convênio MEC/FNDE nº 93802/2001, no valor de R$ 97.820,91 (noventa e sete mil, oitocentos e vinte reais e noventa e um centavos); c) Arrecadação a maior do corrente exercício, proveniente do repasse da contrapartida dos outros municípios do Estado, participantes destes projetos e convênios, relativo à Educação de Jovens e Adultos no valor de R$ 1.272,05 (um mil, duzentos e setenta e dois reais e cinco centavos) e da Educação Pré-escolar no valor de R$ 24.570,00 (vinte e quatro mil, quinhentos e setenta reais). LEI MUNICIPAL Nº 5.701/02 Art. 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 17 DE JULHO DE 2002. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE Prefeito Municipal Registre-se e Publique-se no painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração SMF/IMD 2

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

17 . 07 . 2002


Lei Municipal Nº 5700

LEI MUNICIPAL Nº 5.700/02 Autoriza doação de área à Empresa TRANSPORTES CAVOL Ltda. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER que o Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Município autorizado a transferir mediante escritura pública de doação à Empresa TRANSPORTES CAVOL Ltda, um terreno urbano de forma regular com área de 7.005,24m² (sete mil, cinco metros com 24 decímetros quadrados), localizado na rua Alfredo Oscar Kochemborger esquina com a rua Empresário Agenello Senger, no Distrito Industrial Carlos Augusto Fritz, nesta cidade no setor 13, quadra 03, lote 11, com as seguintes confrontações: ao NORDESTE, 53,36m e 5,70m com a rua Alfredo Oscar Kochenborger; ao SUDOESTE, 58,00M com SCAPINI - Transportes e Comércio Ltda; a SUDESTE, 117,50m com a rua Empresário Agenello Senger e a NOROESTE, 120,78m com o Município de Carazinho, conforme mapa de localização, laudo de avaliação e memorial descritivo que são partes integrantes desta Lei. Art. 2º - A área ora doada é destinada à construção de um pavilhão de 600m2, para depósito de cargas fracionadas, escritório, refeitório e dormitório, bem como pátio de estacionamento de caminhões. Art. 3º - A Empresa após receber a área ora doada, deverá construir sobre a mesma, no prazo máximo de 90 (noventa) dias, contados da data da respectiva escritura, uma infra-estrutura mínima, que constará de cercamento da área, com postes em concreto ou alvenaria, e fechamento do lote em alvenaria ou tela, com portões de ferro nas entradas. § 1º - A empresa terá o prazo máximo de 180(cento e oitenta) dias a contar da promulgação da referida Lei, para iniciar as obras de construção, conforme projeto apresentado ao Conselho do Plano do Distrito Industrial Carlos Augusto Fritz. § 2º - Após o início das obras, a empresa terá prazo de 1 (um) ano para a conclusão da mesma, podendo ser prorrogado pelo mesmo prazo, desde que haja interesse público. § 3º - Não será considerado início da construção, a colocação da pedra fundamental. LEI MUNICIPAL Nº 5.700/02 Art. 4º - Em caso de descumprimento dos prazos estipulados para a apresentação dos projetos e do início e conclusão das construções, o Município fará uma comunicação por escrito aos proprietários e, decorridos 30 (trinta) dias da comunicação, não havendo solução de parte deste, a área será revertida ao Município. § 1º - Sob pena de nulidade, as escrituras de transmissão de área, previstas na presente Lei, consignarão o direito de reversão ao Patrimônio do Município, do bem alienado nos casos de descumprimento das obrigações previstas na Lei Municipal 3.306/87(Lei do Plano Diretor do Distrito Industrial Carlos Augusto Fritz), e o disposto nesta Lei. Art. 5º - A presente doação está vinculada ao cumprimento da presente Lei e dos demais dispositivos legais constantes na Lei Municipal nº 3.606, de 19 de março de 1987, que instituiu o Plano Diretor do Distrito Industrial Carlos Augusto Fritz, e suas alterações. Art. 6º - É vedada a alienação da área, anterior a conclusão das edificações da mesma e em situação diversa do objetivo desta Lei. § 1º - O proprietário da área, cujas edificações exigidas por Lei ainda não foram concluídas, terá direito de requerer a liberação de parcela do terreno, correspondente ao dobro da metragem das obras já edificadas, para fins de constituição de garantia real em empréstimos financeiros que, obrigatoriamente, deve ser empregado em obras de infra-estrutura do terreno ou na construção de benfeitorias que lhe afetem. Art 7º - As obras de terraplenagem da área e as despesas decorrentes da realização da escrituração e registro do imóvel correrão por conta da donatária. Art. 8º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 17 DE JULHO DE 2002. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE Prefeito Municipal Registre-se e publique-se no Painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração 2 ELVG/CBS 3

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

17 . 07 . 2002


Lei Municipal Nº 5699

LEI MUNICIPAL Nº 5.699/02 Autoriza abertura de Crédito Suplementar no Orçamento de 2002, no valor de R$ 14.900,00. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. FAÇO SABER, que o Poder Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a abrir um Crédito Suplementar no Orçamento do corrente exercício, no valor R$ 14.900,00 (quatorze mil e novecentos reais), para Suplementação das seguintes dotações: 07 - SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA 0701 - Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE 0701.123650234.1.114 - Obras e Instalações Creches - MDE 319-0/4.4.9.0.51010000 - Obras e Instalações.....................................R$ 14.900,00 Art. 2º - Servirá de cobertura do Crédito Suplementar, autorizado pelo artigo anterior, a redução do saldo das seguintes dotações: 07 - SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA 0701 - Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE 0701.123650235.1.116 - Obras e Instalações Pré-Escola - MDE 331-0/4.4.9.0.51010000 - Obras e Instalações.....................................R$ 14.900,00 Art. 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, 17 DE JULHO DE 2002. IRON LOURO BALDO ALBUQUERQUE Prefeito Municipal Registre-se e Publique-se no painel de Publicações da Prefeitura Municipal: EVALDO FRANCISCO DIOGO Secretário Municipal da Administração SMEC/IMD

ANEXOS
DATA DE PUBLICAÇÃO

18 . 04 . 2006

DATA DE APROVAÇÃO

17 . 07 . 2002


MAIS LEIS

Notícias

21.05.2018 - 21:19
Legislativo aprova todos os projetos da pauta

  Durante a sessão da Câmara de Vereadores de Carazinho desta segunda-feira (21) foi formada a comissão especial temporária que irá propor alteração

18.05.2018 - 11:36
Legislação dos carrinhos de compras adaptados para crianças com deficiência se concretiza no município

 Para se adequar a legislação municipal o Coqueiros Supermercado anunciou nesta semana a aquisição dos carrinhos adaptados para crianças com deficiência ou

18.05.2018 - 11:07
Plano Diretor é retirado de tramitação na Câmara

Foi protocolada na manhã desta segunda-feira (18) a retirada do projeto de Lei Complementar nº 003/18, o qual dispõe sobre o Plano Diretor do Município. O projeto estava em tramitação

18.05.2018 - 09:32
Sessão terá cinco projetos na pauta

Três projetos de autoria do Legislativo estarão em apreciação do plenário na próxima sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Carazinho.

Em pauta

Sessão Ordinária nº 348 (28/05/2018 - 18:45)

CONVOCO os senhores vereadores para uma Reunião ORDINÁRIA, a ser realizada dia 28 de maio, SEGUNDA-FEIRA, com início previsto para as 18 horas e 45 minutos.