Notícias

28.09.2017 - 21:03

Câmara discute sobre vigilância 24 horas nas agências bancárias

 

Foi realizada na noite desta quinta-feira (28) uma audiência pública para discutir o projeto de lei que institui a guarda armada 24h nas instituições financeiras estabelecidas no município de Carazinho. O projeto é de autoria do vereador Anselmo Britzke e ainda não foi colocado em pauta, pois os vereadores da comissão de Justiça e Finanças sugeriram ampliar a discussão uma vez que as próprias instituições financeiras solicitaram ampliar o assunto.

De início, o vereador Anselmo Britzke expôs aos presentes o seu projeto que prevê, além da obrigatoriamente das instituições financeiras, bancos públicos e privados e as cooperativas de crédito estabelecidas a manterem serviço de vigilância armada, durante 24 horas, inclusive nos finais de semana e feriados; prevê a permanência de vigilantes armados no interior das instituições financeiras, em local protegido e equipado com dispositivo de segurança que permita comunicação imediata com os órgãos de segurança pública. Além disso, prevê multa as agências que não cumprirem os dispostos previstos no projeto, sendo elas: advertência;  multa diária de R$ 1.000,00 (um mil reais), em caso de reincidência; e suspensão do alvará de localização e funcionamento, até que a irregularidade seja sanada.

Após isso, foi aberto aos presentes para pudessem expor as suas ideias, sendo o primeiro a fazer uso da palavra o presidente do Sindicato dos Vigilantes de Passo Fundo Orides Timóteo da Costa o qual defendeu o projeto, destacando a maior segurança para os clientes, sem contar novas vagas de emprego que serão preenchidas. Além disso, afirmou que mais de 60 municípios e que vem sendo benéfico nestas comunidades.

Em seguida foi a vez do jurídico da agência do Sicredi Giovanni Rosa fazer alguns questionamentos em relação ao projeto, inclusive citando que as agências do Sicredi ficam aberas até às 10 horas, após isso as agências são fechadas e o que talvez não seria necessário 24 horas, mas sim até o horário em que se tenha pessoas circulando dentro das agências bancárias.

Na sequência, o gerente da Caixa Econômica Federal João Carlos Almeida foi quem usou o espaço para se pronunciar e disse temer que voltem a ocorrer os assaltos a bancários, pois com a movimentação de pessoas dentro das agências se disse inseguro com o que pode acontecer. Da mesma forma, leu ofício encaminhado pela própria Caixa, onde cita diversas preocupações que possam colocar em risco a vida dos próprios vigilantes.

O vigilante Jeferson Becker já se posicionou a favor do projeto, onde relatou que já prestou o serviço no horário da noite e que se há profissionais da área que tem medo de atuar nesse período estariam na profissão errada. Também, ressaltou a qualificação de todos os profissionais, que são pessoas idôneas e que são extremamente preparados para o serviço.

Não havendo mais público disposto a se pronunciar, o vereador Márcio Hoppen, presidente da Comissão de Justiça e Finanças, destacou a importância deste projeto, mas garantiu que novas adequações devem ser feitas, mas que devem ser discutidas junto com os profissionais da área. Por fim, declarou que haverá “uma decisão que vá agradar a toda a comunidade”.

Após isso, o vereador Anselmo Britkze, autor do projeto, afirmou que duas alterações serão feitas por ele, sendo a primeira delas no prazo passando de 90 para 120 dias para adaptação e também será acrescentado sobre o local em que os vigilantes ficarão dentro das agências.

A audiência contou ainda com a presença dos vereadores Daniel Weber e Lucas Gabriel Lopes, que ouviram as reivindicações e sugestões dos presentes.